Filtro
Restabelecer
Ordenar porRelevância
vegetarianvegetarian
Restabelecer
  • Ingredientes
  • Dietas
  • Alergias
  • Nutrição
  • Técnicas
  • Cozinhas
  • Tempo
Sem


Venenos de panelas de alumínio

Etapa 5

  1. As panelas de alumínio são um grampo de cozinha de longa data devido ao seu baixo custo e capacidade de conduzir calor com eficiência. Mas décadas atrás, quando os relatórios de autópsia encontraram níveis incomumente altos de alumínio no cérebro das pessoas com doença de Alzheimer, surgiram preocupações com os riscos à saúde desse metal - incluindo a segurança de cozinhar alimentos em panelas de alumínio. A Food and Drug Administration (FDA) dos EUA relata que a quantidade de alumínio que penetra nos alimentos a partir dessas panelas é muito menor que a quantidade naturalmente presente em alimentos e outros produtos de consumo. Mas como o alumínio é uma toxina conhecida no organismo, a segurança do alumínio na dieta e esse utensílio ainda é um assunto controverso para os consumidores.

Fontes de alumínio

  1. Além das panelas, o alumínio é encontrado naturalmente em rochas, minerais, argila e solo - e é assim que acaba nas plantas que comemos. Também é adicionado a muitos alimentos processados. Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) estimam que o adulto médio consome 7 a 9 mg de alumínio diariamente dos alimentos, sem incluir a quantidade que pode penetrar nos alimentos ao cozinhar com panelas ou frigideiras de alumínio. Além disso, o alumínio é adicionado a muitos bens de consumo, incluindo alguns antiácidos, aspirina tamponada, creme dental, spray nasal e alguns cosméticos. Até 100 a 200 mg de alumínio são encontrados em alguns comprimidos antiácidos, por exemplo. Em outras palavras, é quase impossível evitar o alumínio.

Lixiviação de panelas

  1. A quantidade desse metal que penetra nos alimentos de panelas e utensílios de alumínio depende de vários fatores. Alimentos ácidos, como molho de tomate, causam mais lixiviação de alumínio a partir dessas panelas em comparação com os efeitos de alimentos com baixo teor de ácido, como frango ou carne. O contato prolongado dos alimentos com esse metal - como tempos mais longos de cozimento ou armazenamento - também aumenta a quantidade que penetra nos alimentos. Além disso, um estudo de julho de 2013 publicado no "ISRN Public Health" descobriu que as panelas de alumínio mais antigas prendem mais esse metal em alimentos, em comparação com as novas panelas e utensílios. Um estudo publicado na edição de setembro de 1985 do "Journal of Food Protection", o contato estimado de alimentos com panelas ou folhas de alumínio pode adicionar uma média de 3,5 mg de alumínio à dieta diária, uma quantidade que os autores do estudo consideraram insuficiente para constituir um risco para a saúde.

Segurança de alumínio

  1. O corpo não beneficia do alumínio, que pode ser inalado, ingerido ou absorvido pela pele. Este metal pode causar danos nos pulmões se inaladas grandes quantidades e é considerado uma neurotoxina ou um veneno para o cérebro e o sistema nervoso. No entanto, o alumínio é muito pouco absorvido, tornando a ingestão oral de panelas ou alimentos menos preocupantes, de acordo com o CDC. Um relatório publicado na edição de fevereiro de 2001 da "Regulatory Toxicology and Pharmacology" observa que menos de 1% do alumínio ingerido entra no sangue, a maioria dos quais é excretada na urina. No entanto, pessoas com doença renal grave podem reter quantidades maiores de alumínio em seus corpos, o que pode levar à demência, anemia ou doença óssea.

Alumínio e doença de Alzheimer

  1. Na década de 1960, quando se suspeitava inicialmente que o alumínio fosse um agente causador da doença de Alzheimer, surgiram preocupações sobre a segurança do uso de panelas de alumínio. Embora esse problema de segurança não tenha sido totalmente resolvido, o alumínio dietético não é mais o principal suspeito dessa doença. Um relatório publicado no "Journal of Occupational and Environmental Medicine" de maio de 2014 observou, por exemplo, que as alterações cerebrais causadas pela toxicidade do alumínio não são iguais aos danos ou prejuízos observados na doença de Alzheimer. Além disso, existem pesquisas conflitantes sobre questões-chave, como impacto cognitivo da exposição ocupacional e confiabilidade de estudos em animais concluídos sobre a toxicidade do alumínio.

Precauções

  1. Embora as panelas de alumínio não apresentem problemas de saúde, provavelmente é melhor continuar cozinhando alimentos com baixo teor de ácido nessas panelas e frigideiras, e não armazenar alimentos em recipientes de alumínio. Alumínio anodizado pode ser uma opção melhor. A anodização é processada que endurece a superfície das panelas, vedando a superfície para impedir a lixiviação do alumínio nos alimentos. Também deve-se tomar cuidado para descartar artigos de alumínio que estejam danificados de alguma forma, o que pode acontecer mesmo com a versão anodizada. Outras opções de utensílios de cozinha incluem vidro, aço inoxidável, esmalte moderno e ferro fundido. Se você tem doença renal, corre um risco maior de toxicidade pelo alumínio, portanto discuta maneiras de evitar o excesso de alumínio com seu médico.



Donate - BNB: bnb16ghhqcjctncdczjpawnl36jduaddx5l4eysm5c