Filtro
Restabelecer
Ordenar porRelevância
vegetarianvegetarian
Restabelecer
  • Ingredientes
  • Dietas
  • Alergias
  • Nutrição
  • Técnicas
  • Cozinhas
  • Tempo
Sem


Palestina vai para a ONU

Conecte-se conosco

  1. Mahmoud Abbas, presidente da Autoridade Palestina (PA) e presidente da Organização de Libertação da Palestina (OLP), planeja convocar as Nações Unidas em setembro para admitir um estado palestino como pleno membro da organização.

  2. A estratégia de Abbas na ONU ameaça colocar a liderança palestina em rota de colisão política e diplomática com Israel e os Estados Unidos. No entanto, o movimento não merece oposição, muito menos um confronto direto. Enquanto as autoridades americanas e israelenses criticam a medida como um ato de "unilateralismo" que visa evitar negociações e "deslegitimar" Israel, na realidade, não é nada disso.

  3. Ao contrário da percepção, os palestinos não estão buscando um estado ou reconhecimento das Nações Unidas, mas um membro pleno dele como um estado existente. Isso exigiria a aprovação do Conselho de Segurança e uma maioria de dois terços da Assembléia Geral, tornando-o um ato essencialmente multilateral. De qualquer forma, os Estados Unidos certamente vetarão a oferta dos palestinos, forçando-os a aceitar uma maioria simples na Assembléia Geral para se tornar um "estado não-membro".

  4. O gesto de Abbas é, portanto, amplamente simbólico. Mas isso não quer dizer que seja um gesto vazio. O objetivo principal da OLP é recuperar uma alavancagem política muito necessária, forçando uma mudança nos cálculos de custo-benefício de Israel e dos Estados Unidos. A admissão da Palestina nas Nações Unidas, na visão de Abbas, transformaria o conflito em questão de um Estado membro violando os direitos soberanos de outro. Em resumo, os palestinos esperam usar a tentativa de pressionar Israel e os Estados Unidos a se engajarem em negociações mais equitativas, sejam elas antes, depois ou em vez da votação na ONU.

  5. Essa estratégia não surgiu no vácuo nem durante a noite. Suas raízes estão na crença, mantida há muito tempo pelos palestinos comuns, de que duas décadas de "processamento da paz" falharam não apenas em produzir benefícios tangíveis, mas na verdade renderam muitas perdas. A Primavera Árabe também teve um papel, forçando Abbas a reavaliar suas prioridades políticas e aumentando o custo de continuar ignorando sua opinião pública. Mesmo antes dos levantes árabes, altas autoridades palestinas reconheceram em particular que a legitimidade da AP estava "pendurada por um fio".

  6. Longe de negar a possibilidade de negociações de paz, a aposta da Palestina na ONU visa fortalecer sua postura de negociação em relação a Israel e aos Estados Unidos, melhorando a posição doméstica de Abbas. e seus colegas. Um voto da ONU não terminará com a ocupação israelense ou criará um estado soberano no terreno. Porém, ao registrá-lo oficialmente nas Nações Unidas, os palestinos esperam preservar a opção de uma solução de dois estados, agora sendo rapidamente impedida pela empresa de assentamentos em constante expansão de Israel, até que Israel e os Estados Unidos possam persegui-la com mais seriedade.

  7. Que as autoridades dos EUA e de Israel estejam preparadas para ir ao tatame para impedir até um movimento simbólico em direção ao Estado - uma meta que ambos os governos afirmam apoiar - não é nada bizarro. A oposição americana e israelense é ainda mais desconcertante ao considerar as alternativas do lado palestino. Sobre o ombro de Abbas está o Hamas, cujo passado violento e ambivalência em direção a uma solução de dois estados o tornam um parceiro de paz improvável. Logo além do horizonte, no entanto, há uma nova geração de palestinos que não estão apegados à solução de dois estados e muito menos ao processo de paz e que, mais cedo ou mais tarde, pegará o inseto revolucionário que varre a região.

  8. Se a oferta da ONU for bem-sucedida, ela já está dando frutos. Pela primeira vez em muitos anos, são os palestinos que estão definindo a agenda. No entanto, o plano envolve alguns riscos sérios. O mais crucial para os palestinos é o risco de alienar Israel e os Estados Unidos, os quais parecem determinados a derrotar a medida antes mesmo de chegar a uma votação e ameaçam punir os palestinos, se o fizer. A oferta também corre o risco de aumentar indevidamente as expectativas do povo palestino, minando ainda mais a credibilidade da Autoridade Palestina. Por outro lado, a retirada da iniciativa nesse estágio provavelmente causaria um golpe ainda mais grave em Abbas e sua liderança.



Donate - BNB: bnb16ghhqcjctncdczjpawnl36jduaddx5l4eysm5c