Filtro
Restabelecer
Ordenar porRelevância
vegetarianvegetarian
Restabelecer
  • Ingredientes
  • Dietas
  • Alergias
  • Nutrição
  • Técnicas
  • Cozinhas
  • Tempo
Sem


Nós, os portugueses, lutando pelo que importa

Uma nova fase da globalização e uma potencial guerra de proxy

  1. Na semana passada, o povo português soube que seu antigo Ministério das Finanças aceitou um emprego na Arrow Global - um dos principais compradores e gerentes de dívida global que se beneficiou dos esforços mal sucedidos daquele mesmo funcionário do governo, durante seu mandato como ministra, para salvar os bancos portugueses BES, BNP e Banif, que foi o último a entrar em colapso em 2015. O modelo de negócios da Arrow Global depende do fraco desempenho de sistemas bancários já frágeis, como os portugueses. É essa mesma empresa com a qual o ex-ministro (funcionário do governo!), Que possui informações críticas, privadas, sensíveis e perspicazes, incluindo segredos de Estado, agora compartilhará sua experiência profissional. Apesar de considerações éticas fundamentais, as ações de Maria Luis Albuquerque (MLA), de acordo com a lei portuguesa, não são ilegais. De fato, ela é apoiada por muitos de seus camaradas social-democratas, incluindo o líder e ex-primeiro-ministro Pedro Passos Coelho ...

  2. Há mais! Luis Albuquerque, que é membro do Parlamento desde novembro, quando os social-democratas perderam seu mandato no poder, quase certamente será permitido pelo comitê de ética do Parlamento manter seu assento. A Arrow Global, cujos resultados de negócios dependem positivamente dos infortúnios do povo português, terá como consultor um ex-Secretário de Estado das Finanças, um ex-Ministro das Finanças e um atual legislador. Três 007 agentes secretos em uma única pessoa - uma grande pechincha para a Arrow Global!

  3. Se a 'porta giratória' já é muito problemática do ponto de vista ético e jurídico, o que devemos pensar da porta que não é realmente 'giratória'? Ou seja, quando o legislador consegue manter seu emprego no parlamento, enquanto simultaneamente aceita um novo emprego no setor privado ?! Seria razoável supor que esse cenário seria impensável, sem mencionar ilegal, em um país da Europa Ocidental que, apesar de sua relativamente recente democratização, ingressou na União Européia em 1986. Mas não é! Também seria razoável supor que os adversários políticos “enlouqueceriam” com uma situação tão precária, que é uma ameaça potencial à segurança nacional. Mas eles não são! A realidade é que o status quo beneficia tanto a esquerda quanto a direita. E os benefícios são ainda mais aparentes agora do que nunca, uma vez que mais partes obtiveram acesso ao poder e à influência. Afinal, comunistas (PCP) e esquerdistas (BE) ganharam recentemente participação de fato no governo pela primeira vez. Também se poderia levar a crer que o povo português se revoltaria e levaria a protestar nas ruas. Mas eles não vão! Como, então, podemos esperar que o sistema mude com interesses tão variados alinhados dessa maneira confusa?

  4. Em 2 de abril, serão quarenta anos desde que uma Constituição democrática foi adotada em Portugal, em 1976. E ainda assim, o povo português ainda não está sendo ouvido em nosso parlamento nacional. Infelizmente, isso não é uma surpresa! Afinal, não são os portugueses que elegem os seus "representantes". Em vez disso, o povo português vota em uma lista curta de candidatos preparados por partidos políticos e, mesmo assim, um grande número de eleitos acaba no governo e não como "representantes" no parlamento. Outros, ainda menos conectados ao eleitorado - seus problemas e aspirações - são chamados substitutos. Não fica muito mais não representativo do que isso.

  5. Até os novos movimentos sociais, como "Geração a Rasca - M12M" (2011) e "Que se lixe a Troika! - QSLT" (2012/2013), com participação massiva popular , não foram capazes de mudar o tom do estilo dos sindicatos de trabalho / renda dos protestos.

  6. Desde 1976, nossos protestos sempre foram pelos mesmos motivos: salários mais altos, melhores condições de trabalho, pensões, benefícios e serviços, impostos mais baixos, contra desigualdades de cortes de gastos, desemprego, redução de serviços públicos e iguais. Não temos protestado pelo que realmente importa. E o paradoxo é que o que mais enfurece o povo português não são questões econômicas e sociais. Pelo contrário, é a profunda falta de liderança e ética em nosso sistema político que mais nos desmoraliza.



Donate - BNB: bnb16ghhqcjctncdczjpawnl36jduaddx5l4eysm5c