Filtro
Restabelecer
Ordenar porRelevância
vegetarianvegetarian
Restabelecer
  • Ingredientes
  • Dietas
  • Alergias
  • Nutrição
  • Técnicas
  • Cozinhas
  • Tempo
Sem


A UE: grande demais para não falhar

A torrada de batata doce é a tendência da saúde que fica cada vez melhor

  1. A UE emergiu como uma empresa ambiciosa, porém modesta, em 1957. Apenas seis nações - Bélgica, França, Alemanha, Itália, Luxemburgo e Holanda - assinaram o Tratado de Roma e criaram Mercado Comum. Em 1973, a Dinamarca, a Irlanda e o Reino Unido aderiram, elevando o número a nove ainda administráveis. A Grécia foi admitida em 1981, Espanha e Portugal cinco anos depois - uma dúzia. Em 1995, Áustria, Finlândia e Suécia foram trazidas, até hoje, a bandeira azul oficial da UE tem apenas 12 estrelas.       Quando o novo século amanheceu e o euro se tornou uma moeda estabelecida, um impulso expansionista tomou conta. Mais dez países foram admitidos em 2004, mais dois em 2007, e o último - a Croácia, apenas três anos atrás - elevou o número de membros a 28.       Não são apenas os números surpreendentes, mas os 13 novos membros - da Europa Oriental e dos Estados Bálticos - estão completamente fora de sincronia com os outros quinze: econômica, política, histórica e culturalmente. Na melhor das hipóteses, deveria haver um sistema de duas vias, permitindo que os novos estados se integrassem gradualmente. Em vez disso, prevaleceu um tipo de mentalidade de ação afirmativa em relação aos recém-chegados, resultando na contratação de centenas de outros intérpretes e tradutores e na produção diária de resmas de documentos para cobrir todos os 24 idiomas. Atualmente, existem 50.000 pessoas trabalhando nas várias sedes e agências da UE em Bruxelas e Estrasburgo, ganhando salários enormes e desfrutando de benefícios extras.       Alguns anos atrás, conheci Daniel Cohn-Bendit (conhecido como Dany the Red durante as revoltas estudantis de maio de 1968 e um delegado frequente no Parlamento Europeu). Perguntei-lhe se ele não achava que a UE havia se expandido muito rápido, admitindo muitos membros que eram tão diferentes.       "Oh, não", ele exclamou. "Quanto mais melhor!"       Pelo contrário, quanto mais bagunçado. A unanimidade é necessária em todas as resoluções; portanto, o progresso é lento, geralmente impossível. Além disso, as questões variam do grandioso ao insignificante, dos subsídios agrícolas à rotulagem do azeite. Em tudo isso, não há consultas ou referendos entre os próprios cidadãos; portanto, a reclamação de que a UE é "antidemocrática" não está tão errada.       O voto do Brexit da Grã-Bretanha, compreensivelmente, enviou uma onda de choque pela Europa. O divórcio, mesmo que rápido, será doloroso. Na melhor das hipóteses, encorajará uma reavaliação completa da UE - seu objetivo, seus problemas, sua modificação ou reconstrução. Na pior das hipóteses, provocará uma onda de desilusão e rancor que será jogada nas mãos de movimentos nacionalistas.       E o Reino Unido, acima de tudo, não será poupado da interrupção. Terá de lidar com uma nação dividida: Inglaterra e País de Gales a favor de deixar a UE, a Escócia e a Irlanda do Norte que desejam ficar. Terá de estabelecer laços muito mais estreitos com as nações da Commonwealth para compensar a perda da Europa. A libra britânica já perdeu valor e o futuro do centro financeiro de Londres, o City, está em dúvida. Ironicamente, dois dos políticos que lideraram a votação do Brexit anunciaram sua aposentadoria da política: Boris Johnson e Nigel Farage. "Apresnous, le deluge" estão dizendo, enquanto lavam as mãos do caso.        É uma pena que a família real britânica, que era conhecida por favorecer a adesão à UE, não pudesse ter se manifestado antes da votação fatal. Obviamente, eles não têm intervenção política, mas é preciso esperar agora que "Deus salve a rainha" se torne "Deus salve a Grã-Bretanha".



Donate - BNB: bnb16ghhqcjctncdczjpawnl36jduaddx5l4eysm5c