Filtro
Restabelecer
Ordenar porRelevância
vegetarianvegetarian
Restabelecer
  • Ingredientes
  • Dietas
  • Alergias
  • Nutrição
  • Técnicas
  • Cozinhas
  • Tempo
Sem


4 coisas que eu não sabia sobre viagens de ônibus na América do Sul (mas gostaria de ter)

RELACIONADO ...

  1. Desculpe, viajantes frequentes. Na América do Sul, viagens terrestres são o rei. Esteja você visitando umas férias curtas ou uma aventura de mochila com vários meses, provavelmente encontrará algum tempo de ônibus aqui em baixo. Mas se o pensamento de passar de cinco a 24 horas em um ônibus faz você se encolher - ou pior - considere o seguinte: os ônibus são baratos, confortáveis ​​e, ei, é assim que os moradores viajam.

  2. Depois de registrar mais de 200 horas de ônibus em oito países, aprendi algumas lições valiosas. Aqui está o que você precisa saber antes de se meter na América do Sul:

  3. 1. Ônibus noturnos são seguros e impressionantes Viajantes solteiras não precisam fugir dos ônibus noturnos: simplesmente, eles são seguros. Obviamente, tome as precauções normais - como dormir com a bagagem de mão enrolada no tornozelo - mas isso não é diferente de um ônibus diurno. E os benefícios do ônibus noturno são muitos. Por um lado, você economiza dinheiro em hospedagem; e segundo, você não perde dias preciosos de férias em trânsito. Há algo maravilhosamente estressante em acordar e de repente você está em Cuzco, Cuenca ou Cartagena. Você está sendo empurrado, e números de bagagem estão sendo gritados e você está cercado por homens gritando "TAXI?!?" na sua cara. Você pode encontrar um albergue groggily, e você tem esse dia inteiro pela frente porque são 6 da manhã. Se você sair da cidade em outro ônibus noturno no dia seguinte, você passou dois dias inteiros lá, e em algumas cidades, isso é suficiente. Em outros, basta saber que você voltará algum dia. Se você estiver viajando com tempo limitado e quiser conhecer várias cidades, é esse o caminho.

  4. 2. Os ônibus estão congelando. Deixe-me dizer de novo: congelamento. Eles mantêm essas coisas em níveis de frio hipotérmico, arrepiante, no inverno no Alasca. Não importa se você está partindo do verão de 100 graus no Rio ou de um frio de altitude em La Paz, os ônibus podem fazer um urso polar tremer. Cada vez que entro em um ônibus, penso: "Desta vez, você não congelará". Avanço duas horas e, sem falhar, estou xingando baixinho, me contorcendo para recuperar a circulação e tentando técnicas de aquecimento improvisadas ridículas. Eu usei um suéter como calça para cobrir minhas pernas queimadas pelo sol. Coloquei meus pés dormentes na minha bolsa. Enfiei um laptop ainda quente na minha camisa. Eu arranquei o encosto de cabeça fedorento do meu assento e o envolvi em volta do meu rosto. Até me aconcheguei mais perto do estranho ao meu lado.

  5. Dito isto, considere usar quase todas as peças de roupa da mochila, o que também serve para aliviar a carga. A melhor maneira, no entanto, de evitar o congelamento de um dedo mindinho é com um cobertor de lã e vários pares de meias. O cobertor pode parecer um desperdício de espaço em um pacote já abarrotado, mas se você não tiver o seu próprio, acabará comprando apenas um dos caras que vendem demais pelo caminho.

  6. 3. Questões de classe Muitos dos ônibus na América do Sul são mais agradáveis ​​que o seu avião regional padrão. Os assentos são espaçosos e confortáveis, geralmente com apoios para as pernas, e reclinam-se bastante longe. Mas nem todos os barramentos são criados iguais. Empresas como a popular Cruz del Sur, no Peru, oferecem atualizações para assentos VIP. Escolha Cama Completa, se você quiser um assento gigante em couro, totalmente reclinável e regalias como serviço de toalhas quentes e lanches.

  7. Nem todo mundo precisa de mimos, mas quando o dinheiro permite, uma pequena atualização ajuda bastante a sua sanidade. E você pode negociar no preço. Nem sempre é bem sucedido, mas nunca, dói. Normalmente peço um preço 10% a 15% mais baixo e, se isso falhar, experimente os velhos fiéis - o desconto para estudantes. Não compre sua passagem de ninguém, exceto da própria empresa de ônibus, geralmente na estação. Até empresas de turismo aparentemente legítimas ficam muito felizes em enganá-lo. Certa vez, comprei uma passagem "VIP" um pouco mais cara apenas para saber que pagava quase o dobro do custo real dos ônibus mais horrendos da região. O passeio noturno começou com o que eu considerava um tráfico de drogas, depois parou a cada hora, às vezes circulando blocos várias vezes, adicionando cerca de três horas à jornada. As luzes do interior permaneceram acesas a noite toda, e a mulher atrás de mim usou as pernas para me impedir de reclinar meu assento nem um centímetro. Ah, e depois havia as galinhas. Os vivos. No ônibus. Cocó, cacarejando, vagando, fazendo o que as galinhas vivas gostam de fazer.



Donate - BNB: bnb16ghhqcjctncdczjpawnl36jduaddx5l4eysm5c